Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Polícia Ministros do TCU que julgam JBS ficaram na ilha de Joesley, diz revista

Ministros do TCU que julgam JBS ficaram na ilha de Joesley, diz revista

Ministros do TCU que julgam JBS ficaram na ilha de Joesley, diz revista
0
0

Os dois ministros do TCU (Tribunal de Contas da União) que vão analisar a legalidade de empréstimos de mais de R$ 10 bilhões ao grupo J&F passaram um fim de semana na ilha de Joesley Batista, em Angra dos Reis, no litoral sul do Rio de Janeiro. Os ministros são Vital do Rêgo e Bruno Dantas.

Na delação da JBS, que faz parte do grupo J&F, Vital do Rêgo é citado como beneficiário de uma propina de R$ 8 milhões. Ele também aparece na delação de Delcídio do Amaral, da Andrade Gutierrez, Odebrecht e UTC como recebedor de suborno.

A informação sobre a viagem que fizeram à mansão de Joesley é da revista “Veja” que começou a circular neste sábado (21).

A viagem à ilha de Joesley ocorreu em junho de 2016, quando o Tribunal de Contas já considerava suspeitos os empréstimos do BNDES ao grupo J&F. Em uma das operações, o TCU apontou um prejuízo de R$ 300 milhões para os cofres públicos.

O BNDES não fez só empréstimos às empresas de Joesley. O banco público também comprou ações do grupo, ou seja, é sócio dos irmãos Batista.

Os dois ministros viajaram com suas mulheres e passaram o fim de semana entre a mansão e o iate de Joesley, uma embarcação de 30 metros de comprimento, três andares e quatro quartos.

Em resposta à reportagem, o ministro Dantas negou que tenha beneficiado o grupo J&F nos julgamentos do TCU. Ele frisou que votou a favor do prosseguimento de uma apuração sobre as empresas do grupo J&F.

Vital do Rêgo não quis se manifestar. Ele é alvo de dois inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal. O primeiro, de junho de 2016, apura a suspeita de que a UTC subornou o Vital do Rêgo quando ele era senador pelo PMDB da Paraíba e presidia a CPMI da Petrobras, de 2014. Segundo delatores, Vital do Rêgo cobrava propina para não convocar empreiteiros.

O outro inquérito é de abril deste ano e foi aberto a partir do relato da Odebrecht, de que pagou R$ 350 mil a Vital do Rêgo por determinação do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que foi indicado ao cargo pelo partido do ex-senador, o PMDB.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *