Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Justiça MPF pede condenação de 45 anos para Celso Luiz por desvio de recursos de Canapi

MPF pede condenação de 45 anos para Celso Luiz por desvio de recursos de Canapi

0
0

Prefeito de Canapi, Celso Luiz

Ex-prefeito de Canapi, Celso Luiz

Nesta sexta-feira (17), o Ministério Público Federal em Arapiraca apresentou as alegações finais pedindo a condenação do ex-prefeito do município de Canapi (AL) Celso Luiz Tenório Brandão e outras nove pessoas pelos crimes de desvio de verbas públicas federais, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O processo criminal decorre da operação “Triângulo das Bermudas”.

Inicialmente, o MPF denunciou o ex-prefeito e outras seis pessoas, no entanto, diante das provas colhidas na instrução processual, o órgão ministerial denunciou outras três pessoas envolvidas diretamente nos mesmos crimes que lesaram os cofres do município de Canapi.

No mês de maio, Celso Luiz, o ex-vice-prefeito Genaldo Soares Vieira, o ex-secretário municipal de Finanças Carlos Alberto dos Anjos Silva e o ex-secretário municipal de Assuntos Estratégicos Jorge Valença Neves Neto tiveram a prisão preventiva decretada, sendo que Genaldo Vieira foi solto por decisão do Tribunal Regional Federal da 5a Região.

Nas alegações, o procurador da República Carlos Eduardo Raddatz pede a condenação de Celso Luiz a, pelo menos, 45 anos de reclusão; Carlos Alberto dos Anjos, 40 anos de reclusão; Lucileide Canuto, 34 anos de reclusão; Chaplin Pascoal de Oliveira, 34 anos de reclusão; Francisco Barbosa da Silva, 34 anos de reclusão; Luiz Carlos Simões, 34 anos de reclusão; Jorge Valença, 40 anos de reclusão; Orlando Soares Brandão, 34 anos de reclusão; Rita Tenório Brandão, 29 anos de reclusão; José Vieira de Souza, 27 anos de reclusão.

O procurador pede, ainda, a condenação dos réus ao ressarcimento da sociedade pelos danos causados à coletividade na proporção dos valores desviados. Reconheceu, por fim, não haver provas suficientes para a condenação do ex-vice-prefeito e pede sua absolvição deste processo criminal.

Fundef – Durante a instrução processual, provas robustas comprovaram a existência de verdadeira organização criminosa, que se reuniu para, de modo estruturado e com divisão de tarefas, praticar diversos crimes em proveito próprio e alheio, dilapidando o patrimônio público do Município de Canapi (AL), em especial mediante a utilização das verbas recebidas em decorrência de precatório judicial, no final de 2015, referente a verbas de complementação do FUNDEB/Fundef, no valor de R$ 17.634.971,47, valor que deveria ser aplicado exclusivamente na educação.

Os recursos eram transferidos das contas do Fundef/Fundeb para outras contas do município ou diretamente para contas de “laranjas”. A partir dessas contas particulares ou da própria conta pública da prefeitura, novas transferências para outras pessoas ou saques em espécie eram realizados. Os “laranjas” eram pessoas humildes e poucos estudos de Canapi e Mata Grande que foram ludibriados pela quadrilha para lhes ceder o nome, conta bancária e procuração.

Para o MPF, o ex-prefeito Celso Luiz atuou como chefe da organização criminosa enquanto os demais denunciados foram operadores do esquema de desvio dos recursos públicos. Constatou-se que a totalidade dos recursos oriundos de crédito judicial – precatório – depositados nas contas do Fundeb de Canapi foram desviados.

Processo n. 0000051-86.2017.4.05.8003, tramitando na 11a Vara Federal em Santana do Ipanema

alagoas24horas

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *