Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Destaque FIM DE CARREIRA Aposentadoria compulsória de juiz extingue foro especial, diz Barroso

FIM DE CARREIRA Aposentadoria compulsória de juiz extingue foro especial, diz Barroso

FIM DE CARREIRA  Aposentadoria compulsória de juiz extingue foro especial, diz Barroso
0
0

Manter a investigação de um juiz sob a competência do Supremo Tribunal Federal, mesmo depois de ele ser aposentado de forma compulsória, é transformar a prerrogativa do cargo em privilégio pessoal, o que não é admitido em um Estado Democrático de Direito. Assim entendeu o ministro Luís Roberto Barroso ao enviar inquérito contra um juiz para a primeira instância da Justiça estadual do Rio Grande do Norte.

 

O caso chegou ao STF porque mais da metade dos desembargadores do Tribunal de Justiça local se declarou suspeita para analisar o processo. Segundo o Ministério Público Federal, o juiz é suspeito de corrupção passiva por atuar em causa na qual tinha interesse econômico direto.

Acontece que, em processo administrativo que tramitava paralelamente à investigação criminal, o investigado acabou aposentado compulsoriamente pelo Conselho Nacional de Justiça. Diante disso, a Procuradoria-Geral da República solicitou o declínio da competência do Supremo.

Barroso concordou com o pedido e declarou que, se o foro especial continuasse, haveria violação ao princípio republicano. Ele determinou ainda que seja anexada cópia da decisão a outros processos, sob sua relatoria, contra o mesmo investigado (Ações Cautelares 3.873, 3.720, 3.721, 4.131 e Inquérito 3.915).

A corte já tem precedente de 2012 que reconhece o fim do foro por prerrogativa de função quando representantes da magistratura se aposentam. O decano do STF, ministro Celso de Mello aplicou entendimento semelhante em dezembro de 2017.

Inovação
Já em outras decisões recentes, Barroso enviou para o primeiro grau inquéritos contra parlamentares ainda no cargo, investigados por supostos crimes anteriores à função, antes mesmo de o Plenário do STF finalizar julgamento sobre restrição do foro.

Para ele, não faz sentido que a investigação tramite perante o tribunal, onde a maioria absoluta dos ministros já sinalizou que o foro vale apenas nos casos de imputação de crimes cometidos no cargo e em razão do cargo. O entendimento foi aplicado no caso dos deputados Rogério Simoneti Marinho (PMDB-RN) e Beto Mansur (PRB-SP) e do senador Zezé Perrella (PMDB-MG)Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Clique aqui para ler a decisão.
Inq 4.071

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *