Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Brasil PROCESSO RADICAL Justiça do Trabalho no Rio suspende privatização de distribuidoras da Eletrobras

PROCESSO RADICAL Justiça do Trabalho no Rio suspende privatização de distribuidoras da Eletrobras

PROCESSO RADICAL  Justiça do Trabalho no Rio suspende privatização de distribuidoras da Eletrobras
0
0

Embora não exista na lei brasileira obrigação para o Estado apresentar estudo sobre os impactos de uma privatização aos trabalhadores da empresa, a medida é necessária em respeito aos direitos ao trabalho e à busca do pleno emprego; à informação e participação e à probidade e boa-fé no âmbito dos contratos trabalhistas.

Sindicatos questionam privatização de distribuidoras de energia.

Assim entendeu a juíza Raquel de Oliveira Maciel, da 49ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, ao suspender o processo de privatização de distribuidoras da Eletrobras.

A ação foi movida por cinco sindicatos de trabalhadores de indústrias urbanas. As entidades questionaram o edital de convocação para a 170ª Assembleia Geral Extraordinária da Eletrobras, que ocorreu em fevereiro.

A proposta apresentada pelo Conselho de Administração da estatal para a reunião continha duas alternativas: privatização das distribuidoras de energia elétrica ou liquidação das empresas. A primeira opção saiu vencedora.

O problema é que a sugestão não menciona os direitos adquiridos dos trabalhadores, alegaram os sindicatos. Eles temem que a venda das companhias gere demissões em massa. Por isso, pediram a suspensão do processo de privatização até que a Eletrobras apresente plano de impacto. A estatal contestou, alegando que essa obrigação não existe no Direito brasileiro.

A juíza reconheceu que o argumento da Eletrobras é correto, mas afirmou que lacunas do Direito também podem ser preenchidas pelas normas internacionais do trabalho. Ela citou a Recomendação 166 da Organização Internacional do Trabalho — não recepcionada no país, a norma estabelece diversas condições para o rompimento de contratos de emprego, como a necessidade de promover conciliação para resolver conflitos e a possibilidade de o empregado buscar outra colocação durante sua jornada.

Ainda que não valha no Brasil, a Recomendação 166 pode ser usada para resolver conflitos, na avaliação da julgadora. De qualquer forma, ela ressaltou que a privatização das distribuidoras sem um plano de impacto fere uma série de direitos.

Mudança revolucionária
“Não podemos deixar de lado que a privatização é um processo radical de transformação de uma empresa estatal em privada. É, portanto, uma mudança revolucionária na medida em que pode afetar toda à organização, atingindo dimensões como tamanho, missão, princípios de atuação, natureza do trabalho administrativo, valores dominantes, normas e mercados. Uma vez iniciada, a privatização implica mudanças nos valores e crenças compartilhados no interior da organização”, destacou Raquel.

Dessa maneira, a juíza concedeu tutela de urgência para proibir a Eletrobras de continuar com o processo de privatização das distribuidoras. Ela também ordenou que a companhia apresente, em até 90 dias, estudo sobre o impacto da venda delas, sob pena de multa de R$ 1 milhão.

Clique aqui para ler a íntegra da decisão.
Processo 0100071-78.2018.5.01.0049

Conjur

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *