Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Brasil AUSÊNCIA DE CONTEMPORANEIDADE STJ afasta prisão preventiva decretada sete anos após homicídio

AUSÊNCIA DE CONTEMPORANEIDADE STJ afasta prisão preventiva decretada sete anos após homicídio

AUSÊNCIA DE CONTEMPORANEIDADE  STJ afasta prisão preventiva decretada sete anos após homicídio
0
0

Por ausência de contemporaneidade, o ministro do Superior Tribunal de Justiça Néfi Cordeiro considerou ilegal a prisão preventiva de um homem acusado de homicídio ocorrido sete anos antes do decreto prisional.

“A urgência intrínseca às cautelares, notadamente à prisão processual, exige a contemporaneidade dos fatos justificadores dos riscos que se pretende com a prisão evitar”, justificou o ministro, com base na jurisprudência do STJ. Em decisão liminar,

Segundo a denúncia, o homicídio aconteceu em 2009, após discussão causada pelo acidente entre uma mobilete e uma bicicleta. O condutor da mobilete atirou no ciclista, que morreu no local.

O Ministério Público apresentou a denúncia contra o acusado em 2013 e, mesmo sabendo da existência de outras ações penais contra ele, não pediu a prisão preventiva. No entanto, em 2016, o MP decidiu solicitar a prisão preventiva, a pretexto de assegurar a garantia da ordem pública.

O pedido foi atendido pelo juiz, que considerou o fato de o acusado ser apontado como autor de outros crimes graves, ocorridos depois do caso em análise.

Contra essa decisão, a defesa do acusado apresentou pedido de Habeas Corpus ao Tribunal de Justiça do Ceará, sustentando ausência de contemporaneidade para a prisão preventiva, uma vez que, quando foi oferecida a denúncia, os fatos determinantes da prisão preventiva já seriam do conhecimento tanto do Ministério Público como do juízo processante. No entanto, o TJ-CE manteve a prisão preventiva.

Os advogados Rogério Feitosa Mota e Jander Viana Frota então impetraram Habeas Corpus no STJ, reforçando o argumento da ausência de contemporaneidade. Ao julgar o pedido de liminar, o ministro Néfi Cordeiro considerou a prisão preventiva ilegal.

“A falta de contemporaneidade do delito imputado ao paciente e a inocorrência de fatos novos a justificar, nesse momento, a necessidade de segregação, torna a prisão preventiva ilegal, por não atender ao requisito essencial da cautelaridade”, afirmou.

Em sua decisão, ele observou que, além de a prisão preventiva ter sido decretada sete anos após o homicídio, todos os fatos apontados para justificar a reiteração delitiva são anteriores ao oferecimento da denúncia, sendo o mais atual ocorrido quatro anos antes do decreto que determinou a prisão preventiva. “Tempo em que o paciente esteve em liberdade, não sendo apontado nenhum fato realmente recente para justificar a sua segregação provisória”, concluiu.

Clique aqui para ler a decisão.
Clique aqui para ler a petição inicial.

conjur

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *