Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Destaque DESDE 2015 Políticas públicas fazem Alagoas avançar na melhoria dos índices educacionais

DESDE 2015 Políticas públicas fazem Alagoas avançar na melhoria dos índices educacionais

DESDE 2015 Políticas públicas fazem Alagoas avançar na melhoria dos índices educacionais
0
0

Para secretária de Estado da Educação, Laura Souza, o Programa Alagoano de Ensino Integral e Escola 10 contribuem decisivamente para melhoria da educação

Nos últimos anos, a educação em Alagoas cresceu. A melhoria vai além das escolas reformadas e a construção de ginásios poliesportivos. Os investimentos em laboratórios de informática e robótica, valorização dos diretores e, principalmente, a criação do Programa Alagoano de Ensino Integral (Palei) e do Programa Escola 10 estão mudando os índices educacionais.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), o abandono escolar caiu 43,4% no ensino Médio, de 2014 para 2017. Também no Ensino Médio, a taxa de aprovação saltou 12,4 pontos percentuais no mesmo período, chegando a 83,1%.

A secretária de Estado da Educação Laura Souza atribui os números apresentados pelo Inep a dois principais programas de políticas públicas voltadas à Educação. O primeiro é o programa Escola 10. Criado no início de 2017 com o objetivo de unir o Estado e os 102 municípios em um processo de melhoria da educação em Alagoas.

O Escola 10 espalhou docentes por todas as escolas estaduais e municipais alagoanas com a função de criar estratégias aperfeiçoar o ensino. Também foram estabelecidas metas educacionais para todas as duas mil unidades públicas e para cada município.

Por meio deste programa, a Seduc analisa diagnósticos de ensino e ajuda os municípios a pensarem em políticas públicas efetivas. Além de promover formações e disponibilizar materiais didáticos para estudantes e professores.

Em 2017, as escolas públicas municipais receberam pela primeira a Prova Alagoas. A avaliação teve como objetivo diagnosticar as principais dificuldades dos alunos dos 5° e 9°, que fariam a Prova Brasil. Ela é um dos principais indicativos para o índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

A Prova Alagoas foi aplicada no mês de março e agosto do ano passado. Depois do avanço do programa, foi registrado crescimento de 20% na proficiência em língua portuguesa e matemática na segunda aplicação nos anos iniciais e anos finais.

“O Programa Escola 10 trouxe uma apolítica de acompanhamento pedagógico, a cultura de olhar para resultados de avaliações e traçar planejamentos. Também a certeza que não dá para fazer educação sem colaboração”, avaliou a Secretaria de Estado da Educação, Laura Souza.

 

Ensino Integral

Outro programa importante para o desenvolvimento da Educação é o Programa de Ensino Integral (Palei), criado em 2015. Até o momento, ele contempla 50 escolas da rede estadual de ensino, sendo a maioria delas voltadas para o ensino médio.

A gerente da Educação Básica da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), Fabiana Dias, explica que “o ensino em tempo integral trabalha a vida do aluno em várias dimensões de aprendizado, socialmente e em nível de futuro. Tudo isso, ressignifica e eleva o ensino. Faz as notas avançarem e alimenta a vontade dos estudantes permanecerem na escola”.

A proposta do Palei é complementar as disciplinas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – que contém matemática, português, física, etc. – com disciplinas eletivas que têm relação com as matérias da base, mas vão além do comum, como por exemplo, robótica, astronomia e empreendedorismo.

Nas escolas que aderiram à modalidade de ensino, alunos desenvolvem projetos de iniciação científica e são acompanhados, bem de perto, por um docente orientador que os ajuda a criar planos de estudos de acordo com o que desejam para o futuro próximo e distante.

São nove horas de permaneciam na unidade de ensino, onde estudantes passam por cinco refeições e têm horários para: clubes juvenis, estudos orientados e esportes. Além disso, as escolas possuem estrutura adequada para abrigar os alunos em processo de formação integral.

 

Outros investimentos, mais conquistas

Alagoas ficou pela primeira vez em 2° lugar em âmbito nacional na Olimpíada Brasileira de Física de Escolas Públicas (OBFEP), também conquistou o 1° lugar do Nordeste. A Seduc ofereceu aos professores formação e discussões de questões teóricas, métodos de correção da prova e mostrou como os alunos seriam avaliados.

O Governo também ampliou para 95 escolas estaduais contempladas com laboratórios de robótica. Por consequência, na Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) 2018, a rede estadual quintuplicou o número de inscritos em relação ao ano passado.

Essas conquistas também podem ser atribuídas ao o programa Escola Web. Em que a Seduc descentralizou recursos para que as escolas contratassem a própria internet banda larga e equipou 70 escolas estaduais com novos computadores.

 

Estrutura física também conta

O Governo de Alagoas já reformou 164 unidades de ensino por todo estado e até o fim de 2018, outras 50 escolas estarão recuperadas. Além das escolas, 19 ginásios foram reconstruídos e outras 54 quadras cobertas foram construídas e entregues do Litoral ao Sertão.

Além disso, foi entregue o a parte esportiva do Centro de Educação Integral (CEI) Mário César Fontes, em Arapiraca. O espaço conta com pista de atletismo, campo de futebol society e piscina semiolímpica, beneficiando 13 mil alagoanos.

O Cepa também foi reurbanizado e ganhou campo de futebol com medidas oficiais, dotado de gramado sintético e base em solo natural. Já a pista de atletismo ganhou revestimento de saibro. A iluminação noturna foi modificada, as calçadas refeitas e está mais arborizado e hoje se tornou não só o centro educacional, mas uma área de lazer para toda a comunidade.

Agência Alagoas

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *