Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Brasil Advogado pode ter sido morto por disputa de herança

Advogado pode ter sido morto por disputa de herança

Advogado pode ter sido morto por disputa de herança
0
0
Advogado André Ribeiro Ambrózio foi morto em Caruaru. Câmeras de segurança registraram o momento do crime

Advogado André Ribeiro Ambrózio foi morto em Caruaru. Câmeras de segurança registraram o momento do crimeFoto: Cortesia/ Whatsapp

Familiares do advogado André Ambrósio Ribeiro, assassinado na tarde da última quinta (12), suspeitam que o crime foi motivado por disputa por herança. O corpo dele será velado a partir do meio-dia desta sexta (13) no Cemitério de Santo Amaro, na área central do Recife. O crime ocorreu em Caruaru, Agreste de Pernambuco, por volta das 17h. Ribeiro foi morto com cinco tiros na cabeça.

De acordo com o parente ouvido pela reportagem, a irmã mais velha de André foi também morta por execução, há 20 anos, no bairro da Boa Vista, no Recife. “Ela foi abordada por motoqueiros e levou dois tiros na cabeça. O inquérito foi inconclusivo, mas ele (André) e o filho dela (da vítima) estavam fora, investigados na ocasião. Não provaram quem cometeu”, disse a fonte.

A disputa seria pela herança do pai, morto há quase 30 anos em um acidente, durante viagem à Itália. Segundo um familiar, houve partilha, mas o inventário não foi concluído. Um irmão e a mãe do advogado estão entre os herdeiros. “André era um ‘lord’, se dava bem com as ex-mulheres e não tinha problemas no lado profissional. Era advogado trabalhista e fazia algumas coisas na área empresarial. Não acreditamos que o crime tenha a ver com trabalho”, comentou um parente.

Entenda o Caso
O Advogado André Ambrósio Ribeiro da Silva, 46 anos foi executado na tarde da última quinta-feira (12), no loteamento Itamaraty, em Caruaru, Agreste de Pernambuco. Um homem abordou a vítima, diante da filha e da babá da criança. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) se pronunciou e disse que vai averiguar se o crime tem ligação com o exercício profissional da vítima.

De acordo com o delegado, serão chamados para depor familiares, pessoas que estavam na área no momento do crime e a babá, que foi testemunha ocular do homicídio. Os depoimentos devem ser iniciados ainda nesta sexta-feira (13). “Também vamos verificar se câmeras de segurança de outros imóveis daquela área registraram algo. Isso pode nos ajudar a traçar a rota de fuga”, observou Rodolfo Bacelar.

 

folhape

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *