Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Alagoas Preso acusado de envolvimento em esquema de corrupção em Mata Grande

Preso acusado de envolvimento em esquema de corrupção em Mata Grande

Preso acusado de envolvimento em esquema de corrupção em Mata Grande
0
0

Carlos Rodrigo Leão, que estava foragido, foi investigado por vender notas frias a fim de justificar o desvio de recursos públicos

Acusado de 35 anos foi preso na zona rural de Arapiraca

FOTO: REPRODUÇÃO

O empresário Carlos Rodrigo de Barros Barbosa Leão, de 35 anos, foi preso nesta sexta-feira (7), na zona rural de Arapiraca, durante o cumprimento de mandado de prisão. Foragido da Justiça, Rodrigo foi investigado pelo envolvimento em esquema de corrupção na Prefeitura de Mata Grande, no Sertão alagoano.

A prisão foi efetuada por agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que contou com o apoio de militares do Pelotão de Radiopatrulha de Arapiraca.

Ao chegarem à chácara onde o acusado se encontrava, os militares avistaram Rodrigo conduzindo um automóvel em alta velocidade. Ainda segundo a polícia, durante a tentativa de fuga, o acusado furou o bloqueio feito pela guarnição, mas foi capturado logo em seguida.

Após buscas na sua residência, a polícia localizou uma pistola de calibre 380 e 10 munições intactas, além de um aparelho celular e R$ 2 mil em espécie.

O acusado foi encaminhado para a Central de Polícia Civil de Arapiraca e deve ser transferido para o sistema prisional nas próximas horas.

Pistola, dez munições e dois mil reais em dinheiro foram apreendidos

FOTO: RADIOPATRULHA

O esquema

O empresário já havia sido preso, em 2017, dentro de um motel durante a quarta fase da Operação Sepse, desencadeada pelo Grupo Estadual de Combate a Organizações Criminosas (Gecoc) do Ministério Público Estadual (MPE), após a descoberta do uso de notas frias para justificar o desvio de recursos públicos.

De acordo com os promotores que deram início às investigações, Carlos Rodrigo é proprietário de empresas de fachada que vendiam notas fiscais falsas para prefeituras. Uma das empresas em nome dele, a R.R Distribuidora Ltda, seria responsável pelo desvio de R$ 1,5 milhão da Prefeitura de Mata Grande.

As notas fiscais fraudulentas serviam para “justificar” a aquisição de remédios, que nunca chegaram aos postos de saúde do município sertanejo. No decorrer das investigações, o MPE também descobriu que o empresário cobrava 8% do valor das notas.

gazetaweb

 

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *