Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Destaque PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA Governador visita obras de esgotamento sanitário no Benedito Bentes

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA Governador visita obras de esgotamento sanitário no Benedito Bentes

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA Governador visita obras de esgotamento sanitário no Benedito Bentes
0
0

Estação que está sendo construída vai receber e tratar o esgoto colhido na parte alta de Maceió

 

O governador Renan Filho visitou, na manhã desta sexta-feira (11), as obras de implantação e operação do sistema de esgotamento sanitário da parte alta de Maceió. Acompanhado pelo secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rafael Brito; e do presidente da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal), Clécio Falcão, ele inspecionou a construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), localizada no Benedito Bentes.

 

O equipamento vai receber e tratar o esgoto colhido em todo o conjunto, em bairros adjacentes e no Tabuleiro do Martins. Nessa primeira etapa, o investimento é de R$ 70 milhões, feito pela Sanama, por meio de Parceria Público-Privada (PPP). Cerca de 140 operários trabalham na obra, iniciada em janeiro de 2018, e ficará pronta no final deste primeiro semestre, quando começará a operar, processando 25% dos efluentes. A ETE tem capacidade de vazão de 360 litros por segundo.

 

Renan Filho afirmou que investir em obras de esgotamento sanitário é fundamental para o desenvolvimento de Alagoas, porque favorece, diretamente, dois setores fundamentais: a saúde pública e a atividade turística, umas das principais vocações do Estado.

Felipe Brasil

“Nesse investimento não há recursos públicos da prefeitura de Maceió, nem do Governo do Estado e tampouco do Governo Federal. Trata-se de um investimento privado, em uma parceria entre a Casal e um grupo empresarial, que vai permitir levar coleta e tratamento do esgoto com qualidade para cerca de 160 mil pessoas em dois anos”, acrescentou Renan Filho.

 

A Sanama mantém com o Estado, por meio da Casal, um contrato de Parceria Público-Privada para implantação do sistema de esgotamento sanitário na parte alta de Maceió, incluindo o Tabuleiro do Martins, o Benedito Bentes e bairros adjacentes. As obras estão com 12% dos serviços executados, inclusive com a construção da ETE, no Benedito Bentes, visitada nesta manhã.

 

Pelo contrato de financiamento com o Banco do Nordeste (BNB), assinado na segunda-feira (7) pelo governador, o consórcio Sanama vai receber R$ 134.557.919,61 para dar continuidade às obras já iniciadas. Ao final do projeto, serão beneficiadas com rede coletora e de tratamento de esgoto cerca de 160 mil pessoas da parte alta da capital.

 

“Isso é capital privado investido para melhorar a vida das pessoas em Alagoas. Isso moderniza e prepara o Estado para o futuro e traz novas oportunidades”, afirmou Renan Filho. O secretário Rafael Brito destacou a importância da obra para o turismo e o desenvolvimento econômico do Estado.

Felipe Brasil

“Essa é uma obra muito importante para o turismo de Alagoas, que vem crescendo nos últimos quatro anos e batendo todos recordes históricos. Em 2018, o Aeroporto Zumbi dos Palmares recebeu, pela primeira vez, mais de dois milhões de passageiros. Esse é um dado extremamente importante e nada pior para o turista do que visitar as nossas belas praias e ver aquelas línguas sujas de esgoto que tanto nos envergonham e entristecem as pessoas que nos visitam. Essa é uma obra fundamental para que a gente preserve nossas praias”, disse o secretário.

 

Para o superintendente da Casal, a melhor solução para se agilizar hoje o processo de universalização dos serviços de abastecimento e de coleta e tratamento do esgoto no Estado de Alagoas é por meio de parcerias público-privadas, a exemplo da que está sendo executada na parte alta do Estado.

 

“O modelo antigo, de se fazer saneamento com recursos próprios, oriundos de tarifa, nunca alcançou seus objetivos. O governo federal também mostrou, ao longo dos anos, que não tem capacidade de investimento para atender a necessidade da população no sentido da universalização do abastecimento de água e da coleta e tratamento do esgoto. Então, esse modelo de parceria público-privada, onde o Estado está presente e a iniciativa privada traz o capital para receber em longo prazo, é o mais viável”, avaliou Clécio Falcão.

 

As obras da Sanama se somam às da Sanema, responsável pela implantação do sistema de esgotamento sanitário do Farol e bairros vizinhos. As obras tocadas pelos dois consórcios devem ficar prontas em 18 meses e juntas beneficiarão mais de 360 mil moradores de Maceió, dobrando a capacidade de coleta e de tratamento do esgoto sanitário na capital, que hoje é de 35% de cobertura. No total, serão investidos R$ 474 milhões.

Felipe Brasil

“Esse é o maior investimento que Alagoas faz hoje em obras de esgotamento sanitário em todo o Estado, exatamente na parte alta da capital, onde as pessoas sempre demandaram por esse tipo de serviço”, observou Renan Filho.

 

“Em quatro anos, vou lutar para dar solução definitiva para o abastecimento d’água em todas as cidades de Alagoas e para o esgotamento sanitário estar alinhado para ser feito em todos os municípios do Estado. As obras podem demorar um pouquinho, mas eu espero que tenhamos a saída, a solução para tudo isso”, concluiu.

 

Metropolitano

Após a inspeção no Bendito Bentes, o governador e o secretário do Desenvolvimento Econômico e Turismo visitaram as obras de construção do Hospital Metropolitano, no Tabuleiro do Martins. Cerca de 70% da obra já foi executada, contratada por R$ 64,5 milhões, recursos oriundos do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep).

Felipe Brasil

O Metropolitano vai ajudar a desafogar o atendimento no Hospital Geral do Estado (HGE), beneficiando a população da parte alta de Maceió e da região metropolitana, além da Mata alagoana. São 180 leitos. Destes, 100 serão destinados ao atendimento clínico, 20 para Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 20 de Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e UTI Neonatal.

 

O Metropolitano terá espaço para a assistência à mulher, com atendimentos clínicos e ginecológicos e 40 leitos obstétricos para partos normais. Além disso, um heliponto vai agilizar a chegada e a transferência de pacientes em estado grave, evitando que sejam transportados em ambulâncias, aumentando, assim, as chances de sobrevivência. O Hospital terá capacidade para realizar 10.300 atendimentos mensais.

 

Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil
Felipe Brasil

Agência Alagoas

 

 

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *