Foto: Luciana Beder/Cada Minuto147ad0fd fa93 4212 a819 b59331e27823Delegado Rodrigo Sarmento durante coletiva

O caso da morte do taxista Edísio Correia, de 64 anos, está esclarecido. A informação foi repassada pelo delegado Rodrigo Sarmento na manhã desta sexta-feira (25), na Delegacia de Homicídios, no bairro do Bebedouro, em Maceió. Entretanto, sem confirmar algumas informações, o delegado disse que “há indícios de que o crime não foi latrocínio”.

O delegado confirmou que quatro pessoas participaram do crime, mas que até agora só duas foram presas: Guilherme Ferreira Vieira, 18 anos, e Wanderson Felipe, 23 anos. Segundo a polícia, os suspeitos já tem histórico de crimes, inclusive de homicídios. Guilherme já cumpria uma medida socioeducativa, no regime semiaberto. Ele foi condenado pelo assassinato de um menor dentro de uma clínica de reabilitação.

“Não podemos passar algumas informações, mas o crime está devidamente esclarecido e as quatro pessoas que fizeram a corrida com o taxista foram os autores do homicídio”, destacou o delegado.

Givaldo Vieira, pai de um dos acusados, afirmou que a filha de 12 anos reconheceu que o irmão Guilherme era o homem que aparece no vídeo divulgado na imprensa e nas redes sociais. “Cheguei em casa e minha filha estava chorando dizendo que era o Guilherme. Comecei a ligar para ele e ele não atendia”, contou o pai.

Já a esposa de Wanderson [que pediu para não ser identificada] disse que o esposo é usuário de drogas e que Guilherme foi até a casa deles e contou que estava sem dinheiro. “Ele chegou com a ideia de fazer assalto e eu disse que ele pensasse no filho e na esposa, mas ele não escutou”.

Segundo ela, Guilherme contou do assalto e apareceu com o celular do taxista para vender para Wanderson.