Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Destaque Militares acusados de desaparecimento de Davi da Silva vão a júri popular

Militares acusados de desaparecimento de Davi da Silva vão a júri popular

Militares acusados de desaparecimento de Davi da Silva vão a júri popular
0
0

Jovem sumiu após abordagem policial em 2014 e nunca mais apareceu; quatro policiais estariam envolvidos

Os policiais militares envolvidos no desaparecimento do jovem Davi da Silva, prestes a completar cinco anos em junho, vão sentar no banco dos réus. Eudecir Gomes de Lima, Carlos Eduardo Ferreira dos Santos, Victor Rafael Martins da Silva e Nayara Silva de Andrade foram pronunciados pela juíza Juliana Batistela e irão a júri popular.

Todos do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha, eles são acusados pelo Ministério Público Estadual (MPE/AL) de serem os responsáveis por torturar, assassinar e ocultar o cadáver de Davi, que sumiu após uma abordagem policial. O caso aconteceu em agosto de 2014 e o corpo nunca foi encontrado.

“Entendo que compete a uma das varas com competência do Tribunal do Júri desta Capital a apreciação da existência de materialidade e de indícios suficientes de autoria ou participação em crime doloso contra a vida”, diz a magistrada em decisão publicada no Diário de Justiça Eletrônico desta segunda-feira (1º).

No documento, Juliana Batistela aponta que, de acordo com os dados colhidos no inquérito policial, o jovem teria sido confundido pelos militares com um traficante da região, conhecido como ‘Neguinho da Bicicleta’. No momento da abordagem, ele estava com uma bicicleta vermelha como transporte e de posse de uma bombinha de maconha.

“Em análise do conjunto de fatos colhidos no IP, constata-se que os policiais, intencionalmente, infligiram bastante sofrimento físico à vítima para obter informações sobre a existência de uma boca de fumo”, ressalta ela, acrescentando que os depoimentos de testemunhas não deixariam dúvidas quanto à autoria.

De acordo com a magistrada, por se tratar de um crime contra a vida, o julgamento deve ser feito pelo Tribunal do Juri. “Apesar das alterações trazidas pela Lei Estadual n. 7.324/12, que ampliou a competência deste juízo para crimes praticados contra crianças, adolescentes e idosos, os crimes dolosos contra a vida praticados em desfavor destes continuam a ser de competência do Tribunal do Júri”.

O caso

Mãe do jovem, Maria José da Silva, foi vítima de atentado à bala

FOTO: ARQUIVO

Davi da Silva desapareceu em 2014 após ser abordado pelos policiais Eudecir Gomes de Lima, Carlos Eduardo Ferreira dos Santos, Victor Rafael Martins da Silva e Nayara Silva de Andrade. Além do sumiço do jovem, recai sobre os militares ainda a acusação de tortura contra Raniel Victor Oliveira da Silva.

O jovem estava com Davi no momento da ocorrência, registrada no bairro do Benedito Bentes. Raniel era a principal testemunha do caso e chegou a passar pelo programa de proteção de testemunhas, mas, ao deixar a iniciativa, foi assassinado em 24 de novembro de 2016

Além disso, a própria mãe de Davi, Maria José da Silva, sofreu um atentado à bala dois meses após o desaparecimento do filho. A série de acontecimentos a pessoas ligadas ao desaparecimento deixou com medo algumas testemunhas, que não compareceram em audiências iniciais.

Apontados como culpados da morte do jovem pelo MPE, os réus sustentam que são inocentes e que nunca realizaram a abordagem. O inquérito policial, porém, mostra que os sinais de celular dos militares os colocam no local do crime, colocando em xeque a versão deles. Os PMs também teriam sido contraditórios em depoimentos prestados.

gazetaweb

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *