Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Arapiraca Um é preso e aves são apreendidas durante fiscalização ambiental em Arapiraca

Um é preso e aves são apreendidas durante fiscalização ambiental em Arapiraca

Um é preso e aves são apreendidas durante fiscalização ambiental em Arapiraca
0
0

A Fiscalização Preventiva Integrada da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (FPI do São Francisco) flagrou, nesta segunda-feira (5), a comercialização de aves silvestres na feira livre de Arapiraca. O trabalho da FPI começou por volta das 5h da manhã e, dentre as espécies resgatadas, estavam Galo de Campina, Papa Capim e Sabiá. Uma pessoa foi detida e levada para delegacia da cidade.

Foto por: Assessoria

De acordo com o coordenador da equipe Resgate de Fauna, Epitácio Correia, não foi encontrado um grande número de aves, mas que isso já pode ser apontado como resultado dos trabalhos desenvolvidos em FPIs anteriores.

“Realizamos, além de um trabalho fiscalizatória, outro de caráter educativo. Quando começamos a FPI , aprendíamos 100, 120 aves a cada vez que chegávamos na feira. Ficávamos com nosso carros abarrotados de gaiolas. Agora estamos observado que esse comércio tem diminuído”, disse.

O coordenador ainda ressaltou que apesar do enfraquecimento do comércio irregular de animais silvestres em Arapiraca é preciso se manter vigilante.

“Não podemos parar e achar que chegamos ao nosso objetivo. A detenção deste homem, flagrado vendendo duas aves, é uma prova de que precisamos continuar nosso trabalho. É um comércio complicado, já que estes animais são fáceis de esconder. Entretanto, estamos sempre aqui, fazendo o trabalho de inteligência e fiscalização”, declarou.

Além da equipe Resgate de Fauna, os trabalhos de fiscalização contaram com a atuação da equipe de inteligência da FPI do são Francisco.

Venda irregular
Segundo Epitácio, o tráfico de animais pode contribuir para a redução de espécies na natureza, tornando-as ameaçadas de extinção na região. ” Estes animais possuem uma função importante em seus ambientes, como a de espalhar sementes de plantas nativas no solo, o que interfere na vida útil dos rios e mananciais”, finalizou.

Assessoria

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *