Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Cotidiano Raquel Dodge pede ao Supremo para arquivar inquérito de Collor

Raquel Dodge pede ao Supremo para arquivar inquérito de Collor

Raquel Dodge pede ao Supremo para arquivar inquérito de Collor
0
0

Delatores disseram que pagaram R$ 800 mil ao senador para que ele defendesse interesses da Odebrecht. Para PGR, não há elementos suficientes; PF viu indícios de crime.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para arquivar um inquérito no qual o senador Fernando Collor (Pros-AL) é investigado na Operação Lava Jato.

A investigação foi aberta em abril de 2017 com base em delações de ex-executivos da Odebrecht. Segundo delatores, Collor recebeu R$ 800 mil para defender interesses da empresa na área de saneamento básico.

Ainda de acordo com os delatores, o dinheiro foi repassado como doação de campanha e não houve declaração à Justiça Eleitoral.

Conforme Raquel Dodge, porém, já se passaram mais de dois anos de investigação e não foi possível obter elementos concretos de crimes que justificassem denunciar o senador.

“Relevante, nesse ponto, dizer que aqui não se afirma que o fato supostamente criminoso aconteceu ou não, mas apenas que não foram reunidas evidências suficientes para a deflagração responsável e útil de ação penal”, afirmou Dodge no pedido.

Quando o inquérito foi aberto, a assessoria do senador informou que Collor nega “de forma veemente haver recebido da Odebrecht qualquer vantagem indevida não contabilizada na campanha eleitoral, de 2010”.

Polícia Federal

A conclusão da procuradora-geral é diferente da apresentada pela Polícia Federal. Ao elaborar o relatório da investigação, a PF informou ter encontrado elementos suficientes de que Collor solicitou vantagem indevida, o que configuraria crime de corrupção passiva.

A PF, porém, não indicou elementos que demonstrem que Collor recebeu efetivamente o dinheiro.

Delações

Na avaliação de Raquel Dodge, a apuração se baseia apenas nas palavras dos delatores, e o Supremo já decidiu que isso não basta para apresentação de uma denúncia.

Dodge relatou que o pedido de dinheiro teria ocorrido em 12 de agosto de 2010, na casa do senador e no dia do aniversário dele. E que a apuração confirmou que um dos delatores realmente esteve em Alagoas nessa data.

Segundo ela, porém, isso não se justifica para confirmar que eles estiveram na casa do senador e nem que Collor solicitou ou recebeu dinheiro ilegalmente. E que, em razão do tempo decorrido dos fatos, ficou “inviável” a coleta de mais provas para confirmação do fato.

g1

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *