Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Destaque TJ mantém condenação de casal acusado de estupro em Boca da Mata

TJ mantém condenação de casal acusado de estupro em Boca da Mata

TJ mantém condenação de casal acusado de estupro em Boca da Mata
0
0

José Ivanildo Ferreira dos Santos foi sentenciado a mais de oito anos; Ângela de Souza Santos a mais de seis anos; crime ocorreu em 2007

Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL) manteve as penas de José Ivanildo Ferreira dos Santos e Ângela de Souza Santos. Os dois foram condenados por dopar e estuprar uma adolescente na cidade de Boca da Mata, em 2007. A decisão foi proferida em sessão no dia 18 de setembro.

De acordo com os autos, a vítima estava em companhia do casal em uma festa quando perdeu os sentidos após beber um copo de refrigerante. Ao recobrar a consciência em casa, no dia seguinte, percebeu marcas de violência sexual e se lembrou do ocorrido. Após realizar denúncia, a jovem e sua família teriam ainda sido ameaçadas pela dupla.

O casal passou vários anos foragido, tendo sido presos em 2017. No mesmo ano, foram julgados e condenados por estupro pelo juízo da Comarca de Boca da Mata. José Ivanildo foi sentenciado a oito anos, um mês e 27 dias em regime fechado, enquanto Ângela de Souza a seis anos, um mês e 15 dias em regime semiaberto.

A defesa dos réus ingressou com apelação no TJAL buscando modificar a pena. Sustentou que a relação que José Ivanildo teve com a vítima foi consensual e que Ângela de Souza apenas observou o ato. Além disso, os acusados possuem filhos pequenos que precisam de cuidados. Por isso, solicitou-se prisão domiciliar para José Ivanildo e redução da sentença para Ângela de Souza.

Os pedidos foram negados pela Câmara Criminal. De acordo com o relator do processo, desembargador José Carlos Malta Marques, as versões dos acusados sobre o crime são incoerentes.

“As inconsistências verificadas nos relatos dos réus colocam em cheque as versões por eles ofertadas, as quais se apresentam de maneira muito menos crível e razoável do que a narrativa desenvolvida pela vítima”, diz a decisão.

TL.AJ

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *