Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Arapiraca ARAPIRACA É REFERÊNCIA EM SIMPÓSIO ALAGOANO DE SAÚDE MATERNO-INFANTIL E DEPENDÊNCIA QUÍMICA

ARAPIRACA É REFERÊNCIA EM SIMPÓSIO ALAGOANO DE SAÚDE MATERNO-INFANTIL E DEPENDÊNCIA QUÍMICA

ARAPIRACA É REFERÊNCIA EM SIMPÓSIO ALAGOANO DE SAÚDE MATERNO-INFANTIL E DEPENDÊNCIA QUÍMICA
0
0

Arapiraca sediou e foi destaque no I Simpósio Alagoano Interdisciplinar de Saúde Materno-infantil e dependência química, realizado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), com o apoio da Prefeitura, no último final de semana, dias 4 e 5, no Teatro Hermeto Pascoal, no Sesc Arapiraca.

Com a temática “A interprofissionalidade no cuidado à saúde reprodutiva, materna, neonatal e infantil no contexto da dependência química ”, o evento promoveu o conhecimento científico e interprofissional, evidenciado a partir dos profissionais que atuam com a temática.

Entre as palestrantes do Simpósio, representando a Secretaria de Saúde de Arapiraca, as coordenadoras Saúde da Criança, Lousanny Caires, participante da conferência inaugural, e Maria Luiza Bezerra, da Saúde da Mulher, que apresentou relato de experiência no Município, no primeiro dia do evento.

Lousanny Caires compartilhou o importante trabalho realizado pela Prefeitura, através do serviço de referência do Espaço Nascer, que atende, gratuitamente, a gestantes de alto risco e bebês prematuros com síndromes.

“As gestantes usuárias de drogas lícitas ou ilícitas são classificadas como gestação de alto risco. Em Arapiraca, elas são acompanhadas nas Unidades de Saúde e referenciadas para o ambulatório do Espaço Nascer, onde são acompanhadas por equipe multiprofissional”, destacou.

A coordenadora ainda explicou que essas mulheres também são acompanhadas durante o parto, na maternidade de alto risco do Hospital Regional. E quando nascem, os bebês recebem a assistência do Município.

“Todos os bebês que nascem de mães que fazem uso de drogas, também são encaminhados ao Espaço Nascer, para acompanhamento. Porque têm risco de nascer com sérios problemas, a exemplo da síndrome da abstinência alcoólica”, ressaltou Lousanny Caires.

Assessoria

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *