Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Cotidiano DIÁRIA DE MOTOCICLETA Trabalhar de moto gera adicional de periculosidade

DIÁRIA DE MOTOCICLETA Trabalhar de moto gera adicional de periculosidade

DIÁRIA DE MOTOCICLETA  Trabalhar de moto gera adicional de periculosidade
0
0

Comprovada a utilização diária de motocicleta em vias públicas para o exercício da função, resta caracterizado o perigo e o direito ao recebimento de adicional.

Utilização diária de moto para trabalhar gera adicional de periculosidade
Reprodução

Foi com base nesse entendimento que a 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina determinou que funcionários do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de Brusque (SC) recebam adicional de periculosidade. A decisão é do último dia 18.

A autarquia havia alegado que os servidores utilizavam motos “por tempo extremamente reduzido”. Por isso, diz a Samae, os trabalhadores não deveriam receber o adicional.

No entanto, segundo o desembargador Luiz Fernando Boller, relator do caso, “sobeja considerável a distância diária percorrida e, consequentemente, a exposição ao risco a que os servidores encontram-se sujeitos”.

O entendimento foi fundamentado pelo artigo 7º, XXIII da Constituição, que estabelece o adicional “para as atividades penosas, insalubres ou perigosas”; pela Lei Complementar nº 147/09, que”em contato permanente com substâncias perigosas ou com risco de vida”; e pelo artigo 193, parágrafo 4º, da CLT, que afirma serem “também consideradas perigosas as atividades de trabalhador em motocicleta”.

Três categorias foram contempladas pela decisão: agentes de leitura, inspetores de hidrômetros e auxiliares de operação.

O relator também rejeitou o argumento de que o adicional não deveria ser pago, já que os trabalhadores não utilizam motos em dias de chuva. “O adicional de periculosidade é devido pelo risco inerente, que subsiste ao transitar com motoneta em vias públicas, não tendo que depender das adversidades climáticas para que seja devido”, diz.

Com a decisão, a Samae deverá pagar o adicional de periculosidade, acrescentando-se 30% sobre o vencimento de cada substituído processualmente, desde 14 de outubro de 2014, bem como de seus reflexos adicionais de tempo de serviço, anuênios, triênios, férias vencidas acrescidas de ⅓, horas extras e 13º salário. Os valores deverão ser devidamente atualizados com juros e correção monetária.

Clique aqui para ler a decisão
0306680-27.2015.8.24.0011

Conjur

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *