Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Geral Espaço Gospel Governo de Angola oficializa afastamento de brasileiros da Igreja Universal no país

Governo de Angola oficializa afastamento de brasileiros da Igreja Universal no país

Governo de Angola oficializa afastamento de brasileiros da Igreja Universal no país
0
0
Pessoa lendo a bíbliaDireito de imagemGETTY IMAGES

O Diário da República de Angola, órgão oficial do país africano, comunicou formalmente o resultado de uma assembleia da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), no dia 24 de junho, que determinou a dissolução de sua diretoria e a destituição do bispo brasileiro Honorilton Gonçalves de sua cúpula.

Considerada uma entidade de direito angolano, a Igreja Universal local alegou como base para suas decisões, segundo o órgão oficial, a “violação sistemática aos estatutos e direitos dos membros”, tais como “a discriminação racial e violação das normas estatutárias”; a “imposição e coação à castração ou vasectomia aos pastores”.

Também são citadas a suposta “privação aos pastores e suas respectivas esposas de acesso à formação acadêmica, científica e técnica profissional”; a suposta falsificação de atas, “abuso de confiança da direção da Igreja ao passar procurações com plenos poderes a cidadãos brasileiros para exercer atos reservados à assembleia geral” e “abuso de confiança na gestação dos recursos financeiros e patrimoniais”, entre outros pontos.

A Assembleia Nacional de Angola (órgão legislativo máximo do país) indicou nova equipe de gerência e uma “Comissão de Reforma” da Igreja Universal, com o bispo angolano Valente Bezerra Luís como seu coordenador.

Bezerra Luís, de acordo com a ata, passou a ser o novo líder da igreja no país. Também foi destituído “de todos os seus poderes”, conforme a assembleia, o então presidente do conselho de direção da Universal, bispo Antonio Pedro Correia da Silva, e encerrado o serviço eclesiástico de missionários brasileiros da Universal em todo o território de Angola.

A publicação da ata no diário oficial — com data de 24 de julho —, foi bastante comemorada e interpretada por religiosos locais como a oficialização da perda do controle do bispo brasileiro Edir Macedo sobre a Universal no país.

Para Mathias Alencastro, pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), que acompanha a situação de Angola, o governo local está endossando os pastores angolanos e realmente oficializando a tomada dos templos.

“Acabou para a Universal. Coloca pedra e cal na estratégia da Iurd de tentar retomar seus templos. E mostra como foi inconsequente e desastrada a tentativa do Itamaraty de resgatar a Iurd. Já estamos vendo a consequência dessa submissão a interesses evangélicos”, diz Alencastro, doutor em Ciência Política pela Universidade de Oxford (Inglaterra).

O próprio presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, havia tentando interceder em favor da igreja de Macedo, seu aliado e eleitor na campanha à Presidência.

Bolsonaro enviou uma carta, no início de julho, ao seu colega de Angola, João Lourenço, manifestando preocupação com os acontecimentos no país e pedindo o aumento de proteção aos brasileiros.

O deputado federal e filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), postou a carta no Twitter. Uma comissão de senadores e deputados brasileiros também pretende visitar Angola na segunda semana de agosto para pedir ao governo local que seja garantida a “reciprocidade de tratamento” a cidadãos brasileiros, tal como os angolanos usufruem no Brasil.

O senador Major Olímpio (PSL-SP), membro da Comissão de Relações Exteriores do Senado, avalia que os direitos de brasileiros ligados à igreja estariam sendo desrespeitados. Também devem integrar o grupo os senadores Nelsinho Trad (PSD-MS) e Marcos do Val (Podemos-ES).

Edir MacedoDireito de imagemALAN SANTOS/PR
Image captionBispos e pastores angolanos decidiram, no final de junho, assumir o comando dos templos da Igreja Universal no país e romper definitivamente com o grupo do antigo chefe Edir Macedo

Tomada de poder

Bispos e pastores angolanos decidiram, no final de junho, assumir o comando dos templos da Igreja Universal no país e romper definitivamente com o grupo do antigo chefe Edir Macedo.

O movimento desses religiosos começou em novembro de 2019, com a divulgação de um manifesto com críticas à direção da Universal.

Os religiosos acusaram os brasileiros por supostos crimes como evasão de divisas, expatriação ilícita de capital, racismo e discriminação. Eles afirmam ter o controle atualmente de 220 dos cerca de 300 templos da igreja. A Universal diz que seriam apenas 30.

A direção brasileira da Universal contestou a ata da assembleia divulgada no diário oficial angolano. Em nota distribuída em Angola, considerou falso o documento e disse que dissidentes “convocaram ilicitamente e de forma fraudulenta uma pretensa assembleia geral extraordinária”.

A cúpula da igreja prometeu adotar “todas as medidas necessárias para reagir à publicação ilícita da ata em causa” no diário oficial, “na convicção de que as autoridades administrativas e judiciais da República de Angola não deixarão de fazer respeitar a lei e a Constituição, bem como os estatutos da igreja”, condenando “a atuação ilícita daqueles que se intitulam agora de ‘Comissão de Reforma’ da IURD”.

A Universal apontou ainda em sua nota que esses religiosos não são os seus “legítimos representantes” e voltou a afirmar que integrantes da chamada “Comissão de Reforma” foram expulsos da igreja “devido à prática de atos ilícitos e à violação do código de conduta moral”. A nota é assinada pelo bispo Antonio Miguel Ferraz, citado ainda como atual vice-presidente.

Pessoa ergendo BíbliaDireito de imagemREPRODUÇÃO/FACEBOOK TEMPLO DE SALOMÃO
Image captionConsiderada uma entidade de direito angolano, a Igreja Universal local alegou como base para suas decisões, segundo o órgão oficial, a ‘violação sistemática aos estatutos e direitos dos membros’

Autoridades angolanas têm evitado se manifestar sobre o conflito. Ministros angolanos procuraram tratar o tema como um problema interno da Universal, rejeitando a ideia de um embate entre angolanos e brasileiros e negando supostos casos de xenofobia.

No dia 24, a Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (Erca) advertiu no país a TV Record e a TV Zimbo (que transmite programas religiosos da Universal) devido à divulgação de ataques e críticas a religiosos angolanos. As duas emissoras, segundo a Erca, deveriam se limitar às suas transmissões religiosas e não a outros fins.

O embaixador brasileiro em Angola, Paulino Carvalho, disse, em um programa da Igreja Universal, que as autoridades do país estão preocupadas com supostos ataques a brasileiros.

“As autoridades angolanas com as quais tenho conversado e visitado para levar as nossas preocupações afirmam com todas as letras que isso é algo inaceitável, criminoso e que tem de ser punido.”

Homem pregando em igrejaDireito de imagemDIVULGAÇÃO/IURD
Image captionAutoridades angolanas têm evitado se manifestar sobre o conflito

‘Tentativa de nacionalizar problema’

O pesquisador Mathias Alencastro disse não ver xenofobia e perseguição a brasileiros em Angola.

“Essa é uma narrativa para brasileiro que não está acompanhando o caso em Angola. Não há nada contra brasileiros e sim contra a administração da igreja. Por acaso, ela é controlada por brasileiros. Em nenhum momento estamos vendo situações que configurem ataques e agressões contra brasileiros. Basta perguntar para qualquer brasileiro que vive em Angola”, diz o representante do Cebrap.

“Essa é uma tentativa da Iurd de nacionalizar um problema dela”. Alencastro avalia que o governo angolano já desejasse diminuir o poder e a influência da igreja no país e agora “deu o respaldo legal ao processo”.

BBCBRASIL

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *