Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Destaque INTERVENÇÃO FEDERAL União deve indenizar família de PM morto no RJ durante intervenção federal

INTERVENÇÃO FEDERAL União deve indenizar família de PM morto no RJ durante intervenção federal

INTERVENÇÃO FEDERAL União deve indenizar família de PM morto no RJ durante intervenção federal
0
0

Como o estado do Rio de Janeiro esteve sob intervenção federal, a responsabilidade de indenizar familiares de policial militar morto em serviço, durante o período da intervenção, é da União.

Policial morreu asfixiado por monóxido
de carbono que vazou do motor
da viatura para a cabine Felipe Restrepo Acosta/Wikimedia

Com esse entendimento, o juiz Eugênio Rosa de Araújo, da 17ª Vara Federal do Rio de Janeiro, condenou a União a indenizar em R$ 209 mil, por danos morais, cada uma das três autoras da ação — filhas e mulher do policial. Ele morreu asfixiado após inalar monóxido de carbono que, segundo os autos, vazou do motor para a cabine do carro em que estava. “É fato inédito o reconhecimento da responsabilidade da União com relação aos militares estaduais”, afirmaram os advogados que representaram as autoras.

O juiz considerou que houve omissão e culpa grave do Estado, que deixou de fazer a devida manutenção no veículo. No caso de omissão — prosseguiu —, a responsabilidade da Administração é subjetiva, “pressupondo a comprovação, além do dano, da falta do serviço público ao menos por culpa (negligência, imprudência ou imperícia) atribuível ao Estado, bem como do nexo de causalidade entre o dever de agir e o dano”.

Assim, a partir dos elementos do caso concreto, o magistrado reconheceu a responsabilidade estatal, que, no caso, é da União. “Com a intervenção, cessou a autoridade estadual sobre a segurança pública, que foi totalmente transferida para a autoridade federal, juntamente com o controle operacional e administrativo sobre a Polícia Militar”, afirmou.

As autoras foram representadas pelos advogados Afonso Luiz da Silva RibeiroLuiz Henrique Rosetti Loureiro e Francis Hamer Bullos, do escritório BLR Advogados.

Clique aqui para ler a decisão
5042634-87.2019.4.02.5101

CONJUR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *