Ambulâncias_728x90
vida_nova_728x90
Home Destaque EQUIPAMENTOS APREENDIDOS Recusa em fornecer senhas não pode embasar preventiva, diz Toffoli

EQUIPAMENTOS APREENDIDOS Recusa em fornecer senhas não pode embasar preventiva, diz Toffoli

EQUIPAMENTOS APREENDIDOS Recusa em fornecer senhas não pode embasar preventiva, diz Toffoli
0
0

A negativa por parte do investigado de fornecer a senha dos seus aparelhos eletrônicos apreendidos não caracteriza justificativa idônea a justificar a prisão temporária. O suspeito não pode ser compelido a fornecer suposta prova capaz de levar à caracterização

Com esse entendimento, o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, concedeu liminar em Habeas Corpus para determinar a soltura de cinco investigados por supostos desvios em contratos de saúde no Pará.

A decisão foi concedida em favor do servidor Leonardo Maia Nascimento, assessor do governador paraense, Helder Barbalho, e depois estendida a Persifal de Jesus Pontes e Antônio de Padua de Deus Andrade (ambos secretários de estado), Peter Cassol Silveira (ex-Secretário Adjunto de Gestão Administrativa) e Nicolas André Tsontakis Morais (operador financeiro).

A prisão preventiva fora autorizada pelo ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça, relator dos casos relacionados a essa investigação. Além das preventivas, o caso já contou com busca e apreensão contra dezenas de investigados, incluindo o governador Helder Barbalho.

Na análise do ministro Toffoli, apesar da gravidade das condutas supostamente perpetradas, as prisões não foram devidamente justificadas. Isso porque aparelhos eletrônicos, outros bens e documentos necessários à elucidação dos fatos já estão em poder das autoridades.

“Anote-se, ainda, que a negativa por parte do paciente de fornecer a senha dos seus aparelhos eletrônicos apreendidos não caracteriza justificativa idônea a justificar a temporária, pois, diante do princípio nemo tenetur se detegere, não pode o investigado ser compelido a fornecer suposta prova capaz de levar à caracterização de sua culpa”, disse o ministro Toffoli.

Além disso, a ordem baseou-se no objetivo de evitar reações indevidas e impedir a articulação com eventuais outros integrantes da associação, que obstruam ou prejudiquem a investigação sem, no entanto, trazer elementos que comprove o risco de isso ocorrer.

Clique aqui para ler a decisão
HC 192.380

CONJUR

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *