Home Geral Brasil Governo federal edita portaria de vacinação obrigatória para militares, que Bolsonaro combate para civis

Governo federal edita portaria de vacinação obrigatória para militares, que Bolsonaro combate para civis

Governo federal edita portaria de vacinação obrigatória para militares, que Bolsonaro combate para civis
0
0

Enquanto faz campanha contra a CoronaVac, o governo federal, por meio do Ministério da Defesa, reafirmou, em portaria no Diário Oficial da União, a obrigatoriedade da vacinação para os militares

O Ministério da Defesa, comandado pelo general Fernando Azevedo e Silva, publicou nesta quarta-feira (11) uma portaria no Diário Oficial da União (DOU) na qual reafirma a obrigatoriedade da vacinação para os militares das Forças Armadas. O próprio Jair Bolsonaro havia efeito campanha contra a obrigatoriedade da vacina e, nessa terça-feira (10), afirmou ser necessário enfrentar a pandemia do novo coronavírus de “peito aberto”. Para ele, o Brasil tem deve deixar de ser “um país de maricas”, numa referência pejorativa ao receio com pandemia, que já matou mais de 162 mil e infectou 5,7 milhões de pessoas.

De acordo com o comunicado do ministério, “fica instituído o Calendário de Vacinação Militar, visando ao controle, à eliminação e à erradicação das doenças imunopreveníveis e à padronização das normas de imunização para os militares das Forças Armadas”. “As vacinas e os períodos estabelecidos no Calendário de Vacinação Militar serão obrigatórios”, acrescenta.

Ao se posicionar contra a obrigatoriedade da vacina, no mês passado, por exemplo, Bolsonaro reafirmou sua opinião a apoiadores sobre a vacina. “O meu ministro da Saúde já disse claramente que não será obrigatória esta vacina e ponto final”, disse.

A publicação da portaria ocorre um dia após Bolsonaro comemorar a suspensão dos testes da Coronavac pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ao responder a um usuário no Facebook, ele disse “mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, uma clara demonstração de politização da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, estado governador por João Doria (PSDB), seu desafeto político e possível adversário na eleição presidencial de 2022.

No mês passado, Bolsonaro destacou novamente a sua disputa política em torno da vacina. “Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid 19”, disse a ministros.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski determinou que a Anvisa preste esclarecimentos sobre a interrupção dos testes. Antes da ordem expedido pelo Supremo, a agência havia suspendido os testes alegando um “evento adverso grave”.

brasil247

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *