Home Geral Brasil PORTARIA ILEGAL Justiça de Roraima suspende deportação de 55 indígenas venezuelanos

PORTARIA ILEGAL Justiça de Roraima suspende deportação de 55 indígenas venezuelanos

PORTARIA ILEGAL Justiça de Roraima suspende deportação de 55 indígenas venezuelanos
0
0

É justificável que o Estado brasileiro busque frear o avanço do novo coronavírus. Esse combate, no entanto, não pode ser posto em prática com base em portarias que não têm amparo legal e que atropelam garantias previstas em lei.

O entendimento é do juiz Felipe Bouzada Flores Viana, plantonista da 2ª Vara Federal de Roraima. O magistrado impediu a deportação imediata de 55 indígenas da etnia Warao — sendo 32 deles crianças — que entraram no Brasil pela fronteira com a Venezuela. A liminar é desta sexta-feira (8/1).

Os indígenas foram pegos pela Polícia Federal depois que entraram no Brasil e estavam apreendidos na sede da Polícia Federal em Pacaraima. Segundo informações prestadas pela própria PF, eles seriam retirados do país após feitos “termos de deportação imediata”.

A medida seria colocada em prática com base na Portaria 648/20, feita em conjunto pelos ministérios da Saúde, Justiça e Casa Civil. A norma, que restringe a entrada de estrangeiros no Brasil por causa da epidemia do novo coronavírus, prevê a deportação ou repatriação imediata, responsabilização civil, administrativa e penal, e inabilita pedidos de refúgio.

Ocorre que tais previsões afrontam a Lei de Migração (13.445/17) e a Lei do Refúgio (9.474/97), que proíbem, em qualquer hipótese, a deportação imediata e a criminalização de migrantes.

“A previsão de deportação imediata prevista em seu artigo 8º [da portaria de 2020] não possui qualquer lastro legal, tratando-se de indevida inovação no ordenamento jurídico pelo Poder Executivo, sem o crivo do legislador. E por mais que o objetivo da norma seja impedir o avanço da Covid-19 no país, esse intento não pode ser buscado de forma utilitária e a qualquer custo, atropelando garantias que demoraram séculos para serem conquistadas”, afirma a decisão.

Ainda segundo o juiz, “por mais que a própria Republica Federativa do Brasil esteja enfrentando suas chagas e deficiências, com problemas estruturais, redução do PIB, cortes orçamentários, avanço da pobreza e ressurgimento da miséria, deixar de obstar em razão das mazelas internas a deportação imediata é ato desumano e até mesmo cruel, mormente ao se enfatizar que entre os indígenas há crianças e, possivelmente, pessoas doentes, idosos e mulheres grávidas”.

“Logo, a situação se configura como mais um desafio a ser enfrentado e solucionado pelo gestor público nos limites e nos caminhos da lei, sendo inclusive aberta a própria possibilidade de deportação em si, conquanto observadas os procedimentos da Lei 13.445/17”, conclui.

Segundo a Lei de Migração, citada pelo magistrado, a deportação deve respeitar o contraditório e a ampla defesa, garantido o recurso com efeito suspensivo, e não pode ocorrer dentro de prazo inferior a 60 dias. Os migrantes também podem circular livremente no país até ter seu caso resolvido. Assim, os venezuelanos não poderiam estar na sede da PF.

O juiz fixou multa de R$ 1 milhão para cada indígena que for deportado, em caso de descumprimento da decisão.

Ação civil pública
A decisão foi tomada no âmbito de uma ação civil pública ajuizada em conjunto pela Defensoria Pública da União e pelo Ministério Público Federal em face da União. A peça é assinada pelos defensores Rafael Martins Liberato de OliveiraGabriel Saad Travassos do CarmoJoão Freitas de Castro Chaves e Roberta Pires Alvim. Assina o documento pelo MPF o procurador Alisson Marugal.

O defensor público Rafael Martins comemorou a decisão. “A PF vem promovendo deportações sumárias, com base em sucessivas portarias do governo federal que autorizam tal procedimento a pretexto de combater a disseminação da Covid-19”, afirmou à ConJur.

Ainda de acordo com ele, “a decisão renova a fé no Estado de Direito, já que a Constituição Federal, a Lei 13.445/17, além de tratados de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário, proíbem a deportação sumária e coletiva, assegurando a toda pessoa, quando for o caso, o direito a um processo de deportação justo e individualizado, sempre com a observância da garantia ao contraditório”.

O governo federal de fato editou uma série de portarias prevendo as deportações sumárias. Conforme mostrou a ConJur em agosto de 2020, a primeira delas focava inteiramente em migrantes venezuelanos (Portaria 120/20).

Posteriormente, entretanto, a norma foi revogada em detrimento de outras mais amplas. A última delas foi justamente a Portaria 648/20, que, no caso concreto, serviu para justificar a apreensão e tentativa de deportação dos 55 indígenas venezuelanos.

Todas as portarias têm um ponto em comum: preveem a deportação, a inabilitação de pedido de refúgio, além da responsabilização civil, administrativa e penal de estrangeiros que entram no país sem autorização. Por isso, mais do que barrar o ingresso, a norma passou a ser utilizada para expulsar os migrantes.

Decisões semelhantes
Em agosto, o juiz Jair Araújo Facundes, da 3ª Vara Federal Cível e Criminal do Acre, também determinou que a União suspendesse deportações, repatriações e outras medidas compulsórias feitas com base nas portarias do governo federal. Na ocasião, ele entendeu que a aplicação das normas resultaria em severo risco à vida, à saúde e à integridade de pessoas refugiadas.

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, também chegou a apreciar caso semelhante no Habeas Corpus 184.828. Para ele, “a República Federativa do Brasil assumiu uma série de compromissos, refletidos, inclusive na legislação brasileira, que impede a retirada de estrangeiros do país quando esta medida importar em risco à vida e à integridade pessoal de tais indivíduos, direitos assegurados pela Declaração Universal dos Direitos do Homem e pela Convenção Americana de Direitos Humanos”.

Clique aqui para ler a decisão
ACP 1000073-62.2021.1.4.01.4200

Conjur

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *