Home Destaque MP pede prisão de empresário acusado de estupro após descumprimento de medida cautelar

MP pede prisão de empresário acusado de estupro após descumprimento de medida cautelar

MP pede prisão de empresário acusado de estupro após descumprimento de medida cautelar
0
0

O Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL) solicitou à Justiça, nesta terça-feira (6), a prisão preventiva do empresário Marcelo Neves Pereira. De acordo com o MPE, o empresário, que responde pelo crime de estupro de vulnerável, acusado de abusar sexualmente de duas enteadas, teria descumprido medidas cautelares.

O pedido foi feito pela promotora Dalva Tenório, após a assistência de acusação constatar que Marcelo Pereira, descumpriu por mais de uma vez a medida de distanciamento social das vítimas e familiares.

Segundo informações repassadas ao Cada Minuto, as vítimas estão sem o botão do pânico, mas informações do relatório do Centro de Monitoramento Eletrônico de Presos (Copen), por meio do JPS da tornozeleira eletrônica usada pelo empresário, ajudou a identificar os descumprimentos das medidas cautelares.

Diante do fato, a promotora entendeu as tentativas de desrespeito às medidas como perigo eminente e solicitou que Marcelo Pereira retorne para a prisão, visto que o cumprimento das mesmas foi a condição para que ele fosse solto e o que garante a segurança das vítimas.

A promotora Dalva Tenório corroborou com o pedido da assistência de acusação e ratificou o pedido, que será avaliado pelo juiz 14ª Vara Criminal da Capital, Ygor Vieira de Figueiredo.

O empresário Marcelo Pereira foi preso no dia 16 julho de 2020, suspeito de estupro de vulnerável, maus-tratos, assédio sexual e estupro qualificado contra as enteadas. No dia 28 do mesmo mês, o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) negou o pedido de liberdade. Em dezembro, a Justiça mandou soltar o empresário e substituiu a prisão preventiva por medidas cautelares diversas.

Agora, o Ministério Público pediu que Marcelo retorne a prisão por descumprir as medidas e aguarda a decisão da Justiça.

MPE/AL

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *